Aconteceu mais um processo eleitoral autárquico. Aconteceu a primeira experiência autárquica do JPP, enquanto partido político. Os resultados são animadores.

Ao nível nacional, e a norte, ensaiou-se uma coligação para o Município da Maia, onde isoladamente o JPP elegeu mais de 60 autarcas, inclusive a presidência da Junta de Freguesia de Milheirós com a eleição de Maria José Neves, indicada pelo JPP.

A coligação em Lisboa, Loures, Sintra e Cascais também fez eleger autarcas. O mesmo aconteceu com a coligação no Funchal.

As candidaturas em listas próprias de Felgueiras e Odivelas estiveram abaixo dos 2%. No entanto, estão lançadas as sementes, pois o trabalho autárquico não se alavanca exclusivamente com estratégias coligativas e em apenas quinze dias do ato eleitoral. O trabalho na defesa das populações inicia-se doravante, com ou sem eleição de candidaturas.

Do ponto de vista pessoal, e sem discriminação de partes, estou convicto – até pela experiência autárquica – de que os projetos de lista própria, mesmo aqueles cujos resultados não ofereceram as expetativas criadas, têm imenso potencial para crescer. Recordo que, em Santa Cruz, em 2008, o Movimento partiu de valores percentuais muito baixos. A seu tempo, e com trabalho árduo na defesa das populações, atingiu objetivos mais expressivos.

Na Região Autónoma da Madeira, o JPP consolidou a votação no Município de Santa Cruz, tendo atingido cerca de 60,1% das intenções, e iniciou a sua influência direta em Machico e na Ribeira Brava, onde elegeu deputados e foi, nos dois concelhos, o terceiro partido mais votado. Ao nível do total regional, o JPP assume-se como terceira força política, conforme dita o número de votos.

Uma palavra de apreço a todos os grupos de cidadãos eleitores que, ao nível nacional, constituem a quinta força política (com 6,7% das intenções de voto). Reconheço a conquista, as dificuldades, a perseverança de todos os envolvidos, felicitando-os pelo arejamento democrático. Muitos destes grupos de cidadãos eleitores confrontam-se agora com a extinção e a perda de identidade jurídica e fiscal. Um problema do nosso sistema constitucional e legislativo, pelo qual o Juntos pelo Povo passou, levando à decisão de se tornar partido, sem no entanto fugir às raízes do Movimento.

 

Observação:

– A responsabilidade das opiniões emitidas nos artigos de opinião são, única e exclusivamente, dos autores dos mesmos, pois a defesa da pluralidade de ideias e opiniões são a base deste espaço criado no site;
– Os posicionamentos ideológicos e políticos do JPP não se encontram refletidos, necessariamente, nos artigos de opinião contemplados nesse mesmo espaço de opinião. 
Élvio Sousa

Élvio Sousa

Líder do Grupo Parlamentar em Juntos pelo Povo
Doutor em História Regional e Local pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa de Lisboa e investigador do CHAM – Centro de História de Aquém e de Além-Mar da Universidade Nova de Lisboa; Presidente da Junta de Freguesia de Gaula;
Élvio Sousa

Latest posts by Élvio Sousa (see all)

Artigos Relacionados

Pin It on Pinterest

Share This