O sintoma

Passo a passo, com precisão, sem pressa, moderadamente, caminhamos…
É assim, e assim será.

Já diz o ditado português, que “devagar se vai ao longe”, pois o tempo de credibilidade é maturo.

Não raras vezes tenho assistido a crescentes ansiedades por motivos político-partidários. Os estudos de opinião ou as sondagens são prova disso. Discutem-se estudos às vezes com maior profundidade do que realmente resultados concretos. É um sintoma da alteração comportamental e conjuntural, de uma terra com pouco mais de 250 mil habitantes.

Mas é legítimo ansiar e interrogar o presente e o futuro. Sem dúvida que sim. Talvez seja insensato fazê-lo, sem plena consciência do passado, pois as correntes interligam-se.

Devagar, devagarinho

Em Santa Cruz, o executivo camarário costuma usar uma expressão muito curiosa: “devagar que tenho pressa”. E foi, gradualmente, que mostraram ao eleitorado uma forma distinta, singular, homogénea de fazer política (social, económica, cultural). A (suposta) renovação, que se traduziu em desilusão, não sabe lidar com esse carisma de tempo, de credibilidade, de projeto maduro.

É difícil, aliás é extremamente custoso, desmontar um modelo de conjunto criado com raízes amadurecidas.

As ansiedades confundem-se com impaciências

Aí está outro sintoma que cresce de dia para dia. As redes sociais são, por exemplo, o espelho dessas ansiedades.

Hoje, parece que se deseja plantar a árvore e fazê-la crescer no dia seguinte, artificialmente.

O crescimento da estrutura da árvore necessita, essencialmente, de tempo e de raízes sólidas. Acelerar o crescimento sustentado, natural e espontâneo é desvirtuar o caminho. Todavia, não confundamos crescimento acelerado com expansão ramificada do projeto.

Ao longe, reina a tranquilidade

Na defesa perante os juízes, Platão, na sua Apologia de Sócrates, escreve que “nenhum mal pode acontecer a um homem de bem, nem em vida, nem depois da morte, e o deus não o negligencia”. É verdade.

*Artigo de opinião publicado no Diário de Notícias / 11-12-2018

Élvio Sousa

Élvio Sousa

Líder do Grupo Parlamentar em Juntos pelo Povo
Doutor em História Regional e Local pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa de Lisboa e investigador do CHAM – Centro de História de Aquém e de Além-Mar da Universidade Nova de Lisboa; Presidente da Junta de Freguesia de Gaula;
Élvio Sousa

Latest posts by Élvio Sousa (see all)

Observação:

– A responsabilidade das opiniões emitidas nos artigos de opinião são, única e exclusivamente, dos autores dos mesmos, pois a defesa da pluralidade de ideias e opiniões são a base deste espaço criado no site;
– Os posicionamentos ideológicos e políticos do JPP não se encontram refletidos, necessariamente, nos artigos de opinião contemplados nesse mesmo espaço de opinião.

Artigos Relacionados

Pin It on Pinterest

Share This