Infelizmente, a nossa cultura democrática e de cidadania ainda relaciona exclusivamente as palavras RESPONSABILIDADE e DEVERES com organismos e detentores de cargos públicos e políticos.

Décadas de um poder paternalista e o cultivo de alguma desresponsabilização trouxeram-nos até aqui e a uma ideia de que de um lado existem apenas direitos e do outro lado existem apenas deveres.

Esta realidade reflete-se em muitas áreas da vida em comum e na área ambiental de forma particular.

Com a proximidade do verão, é necessário que todos nós saibamos cumprir a nossa parte para que a época estival se faça em segurança e para que se evitem incêndios que acarretam sempre grandes custos ambientais, patrimoniais e, em casos mais graves como os que se verificaram nos últimos anos, ceifam vidas.

É hora de todos nós, em conjunto, olharmos para as nossas responsabilidades e encararmos de frente que a segurança é um dever de todos, principalmente daqueles que devem zelar pelo que é seu e não deixar que os seus terrenos se transformem em pasto fácil para o fogo e em armadilha mortal para as pessoas.

É claramente uma ilusão e uma demagogia pensarmos que as entidades públicas, nomeadamente as câmaras municipais, se podem substituir a todos os privados que se recusam a limpar os seus terrenos, apesar de várias vezes notificados para o fazerem.

A verdade é que nenhuma câmara tem meios para fazer face a uma intervenção desta magnitude, pelo que é essencial e necessário que cada um assuma as suas responsabilidades.

Uma responsabilidade que deve ser assumida não por medo de eventuais coimas, mas por um imperativo de consciência e de solidariedade para com os seus concidadãos.

Agora que ainda vamos a tempo de fazer a diferença para este verão, peço a cada proprietário de terreno por limpar que faça uma análise de consciência e que, sobretudo, assuma as suas responsabilidades.

Será sempre mais fácil cumprir com a limpeza dos terrenos do que depois se ver a braços com uma responsabilidade civil e criminal por danos que a não assunção de um dever pode acarretar. Isto sem falar na culpa individual e moral de cada um depois da tragédia consumada.

Não tenhamos ilusões, só uma ação concertada, em que cada um assuma as suas responsabilidades, pode garantir a segurança do nosso território e, com ela, a segurança de pessoas e bens face à ocorrência de incêndios.

Nesta, como em muitas outras áreas, não é praticável a desresponsabilização, o empurrar dos problemas, a acusação fácil, a briga de vizinhos, os desentendimentos e os braços de ferro.

Se todos nós optarmos por lavar as mãos, pensando sempre que alguém fará por nós o que deveríamos ser nós a fazer, haverá um momento em que uma força maior falará mais forte do que estas pequenas questões que nos consomem os dias. O fogo tem sido, infelizmente, uma força maior e tem falado mais alto que que a incúria e a irresponsabilidade.

Urge, por isso, uma mudança de atitude. Uma mudança de atitude em nome de todos. Até porque nas questões ambientais e de segurança comum, só um esforço coletivo é capaz de dar frutos e de assegurar um futuro onde os erros do passado não farão mais história.

ÉLIA ASCENSÃO
Vereadora na Câmara Municipal de Santa Cruz

 

*Artigo de opinião publicado no JM / 11-04-2018

Observação:

– A responsabilidade das opiniões emitidas nos artigos de opinião são, única e exclusivamente, dos autores dos mesmos, pois a defesa da pluralidade de ideias e opiniões são a base deste espaço criado no site;
– Os posicionamentos ideológicos e políticos do JPP não se encontram refletidos, necessariamente, nos artigos de opinião contemplados nesse mesmo espaço de opinião.

Artigos Relacionados

Pin It on Pinterest

Share This